Voltar ao início

Vermelho Válvula

Que tipo de sentimento devo ter ao perceber,
Que o que é não passa de poeira do que foi?
E que saber isso não aumenta a minha chance,
De um dia no futuro, não o vir a ser?

Quanto idiotas sem pestanejar,
Com tantos motivos toscos sempre a postos a bradar,
E nenhum sinal no céu,
Nenhuma válvula.

Quantos mais espelhos terei eu de posicionar,
Até que algo reflita a luz que brilha sem cessar
Num tom vermelho,
Vermelho Válvula.

Eu sei, eu sei.
Eu sei?
Não sei.

Endereço para trackback

Nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

© 2017 – Trafos Carbajal todos os direitos reservados.